http://www.buzatto.info/research

Atualmente, a maior parte da minha pesquisa é sobre dimorfismo entre machos, um fenômeno que geralmente resulta da evolução de estratégias alternativas de acasalamento: machos grandes tipicamente defendem haréns ou territórios e possuem armamentos elaborados, enquanto machos pequenos buscam copular furtivamente e possuem armamentos reduzidos ou ausentes. Dimorfismo entre machos é particularmente comum em artrópodes, e costuma envolver um polifenismo: a capacidade de um único genótipo de se expressar diferencialmente em fenótipos alternativos dependendo de condições ambientais. Eu tenho investigado diversas questões sobre esse tipo de dimorfismo entre machos com experimentos usando ácaros, opiliões e escaravelhos.



O modelo do limiar ambiental: uma hipótese para explicar características de limiar como os fórceps de tesourinhas, que podem ser curtos em machos pequenos ou longos em machos grandes











Além disso, eu também me interesso por ecologia comportamental de insetos e aracnídeos, especialmente no que diz respeito à sua biologia reprodutiva. Minha pesquisa inclui a evolução de cuidado parental, sistemas de acasalamento, competição espermática, e socialidade.






Um amplexo envolvendo quatro machos do sapo Crinia georgiana que estão competindo pela fertilização dos ovos de uma única fêmea







Em 2015 eu iniciei um projeto de pós-doutorado financiado pelo Australian Research Council, através do programa Discovery Early Career Researcher Award (DECRA). Essa bolsa financiou meu projeto “The development, ecology and evolution of alternative phenotypes”, que incluiu experimentos sobre dimorfismo condicional entre machos, usando besouros 'rola-bosta', ácaros e opiliões. Uma grande parte do projeto envolveu um experimento de seleção artificial em ácaros, que demonstrou que seleção imposta em machos de um morfo produz resposta evolutiva correlacionada no outro morfo (veja meus artigos em "Publications").





Um macho armado do opilião
Arthrodes xanthopygus



Meu interesse na evolução de estratégias alternativas de acasalamento e dimorfismo entre machos acabou me levando a estudar plasticidade fenotípica de maneira mais geral. Assim, nos últimos 5 anos, parte da minha pesquisa tem sido focada em características de limiar (polifenismos), geralmente de uma perspectiva de genética quantitativa.




Uma fêmea do opilião
Serracutisoma proximum depositando ovos


Desde janeiro de 2013, eu estou empregado pelo projeto do Conselho de Pesquisa Australiano chamado "Testando novos modelos teóricos de alocação espermática: a competição por parceiros impacta a fertilidade de machos?", liderado pelos professores Leigh Simmons e J. Dale Roberts. Meu principal papel nesse projeto é investigar trade-offs (demandas conflitantes) entre o investimento pre-copulatório e pós-copulatório em C. georgiana, um sapo que apresenta poliandria simultânea na forma de acasalamentos envolvendo uma fêmea e diversos machos. Machos dessa espécie variam bastante em seu investimento em musculatura dos braços, que são usados em lutas entre machos e também nos acasalamentos que envolvem vários machos. Interessantemente, machos também apresentam estratégias alternativas de acasalamento (cantar ou interceptar fêmeas) associadas ao tamanho de seus braços.





Um macho lutador (esquerda) e um macho oportunista (direita) do ácaro Rhizoglyphus echinopus. Note o espessamento do terceiro par de pernas (seta vermelha) do macho lutador.